quinta-feira, 1 de junho de 2017

Burocracia, bom ou ruim?!


Resultado de imagem para burocraciaSomos atualmente refém da burocracia ou ela contribui para o nosso controle e sucesso?


Quanto mais problemas temos de segurança de informação, acabamos criando mais burocracia para controlar, para nos dar um pouco de segurança e controle sobre as coisas.
Com isso são tantas coisas a preencher, tantos formulários, tantos controles, que precisamos de mais gente trabalhando para atender tudo o que se espera.
Em alguns momentos não temos como negar que ela é necessária, mas, não podemos deixar que nossos processos se tornem lentos.
Desde que atuo em empresas percebo claramente que muitos não sabem que informação precisa e que é realmente importante e sai criando vários controles e controles e muitos até em duplicidade por colaboradores diferentes.
Percebemos com isso a falta de objetivo claro e específico, pois se não sabemos o que queremos qualquer coisa serve.
Busque esclarecer o objetivo da sua empresa e as informações necessárias para acompanhar e ter controle sobre a mesma, tente ver o que pode melhorar, para ao invés de ver dois ou três relatórios possa ver um com todas informações necessárias.

Buscando melhoria e qualidade sempre, seu negócio agradece!

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Parte VI - Construindo uma Gerente de sucesso.


As vezes a vida é muito mais que possamos acreditar, as vezes ela nos permite enfrentar nossos desafios mais que imaginamos sermos capazes.

Ânia havia percebido que os seus pensamentos haviam tomado conta de sua vida e atitudes que poderiam ser simples, tomaram um peso imenso.

Nisso sua Coach a tirou da imersão de seus pensamentos, e perguntou: 

-Ânia como você vai saber que chegou ao resultado profissional desejado?
-Acredito que na hora que eu chamar a atenção das pessoas sem medo de magoar e expor minhas ideias sem preocupação – disse Ânia.
-E por que isso é importante para você?
-Isso é necessário, estudei para isso, me esforcei para chegar onde cheguei. Eu mereço e preciso assumir minhas responsabilidades, me sentir melhor, feliz e respeitada.
-O quanto você está comprometida para isso?
-Dez – disse Ânia intensamente na hora, sabia que queria muito mudar esse cenário.
-O que você acha que deveria ser sua primeira atitude referente a seu comportamento? – Perguntou a Coach.
- Enfrentar os meus medos, brigar com eles – respondeu Ânia após pensar por um momento.
-Qual o seu maior medo, referente a chamar a atenção ou mesmo demitir um funcionário?
-Tenho medo da reação deles ao falar, de fazer escândalo. Sei que o meu papel é esse, mas como nunca demiti ou fui demitida, sinto medo.
-Mas, Ânia vamos supor que você tenha que demitir alguém, o que causaria essa atitude?
-Geralmente se demite, pois, o funcionário não se adapta a função, não atingiu o resultado esperado pela empresa ou por redução de custos.
-E em todos esses casos, considerando as opções da sua empresa você teria como mudar ou ter feito algo por ele?
-De maneira alguma, ele deveria ter se empenhado e ter vestido a camisa da empresa – ao responder isso foi como se tudo ficasse mais claro e leve, Ânia havia entendido que um funcionário ao ser demitido ele tem uma grande parcela de responsabilidade sobre a ação e ela não era a culpada, deveria apenas fazer aquilo que se esperava dela.
-Ânia vendo a situação dessa maneira qual seria a sua ação referente a situação com o Ricardo, que precisa resolver?
-Eu vou conversar com ele, mostrar o que a empresa espera dele e da função dele e sobre sua atual posição na mesma e vou fazer isso amanhã mesmo.
Ânia se sentia animada e motivada, sabia que era preciso fazer algo e agora sentia pronta para isso. Assim terminou a sua sessão e sentia imensamente como havia valido a pena, estar ali e olhar para si.
Que viesse o novo dia, estava animada para cumprir sua tarefa.
Como será essa conversa de Ânia e Ricardo? Será que realmente está preparada? Você que está lendo essa postagem, acha que ela vai conseguir?

Curta, comente e compartilhe.

Metas

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Parte V - As vezes a vida é muito mais que possamos acreditar, as vezes ela nos permite enfrentar nossos desafios mais que imaginamos sermos capazes.

Ânia havia procurado ajuda para resolver sua questão profissional e ao invés de estar recebendo respostas, ela encontrava com mais uma situação que a atormentava. Realmente se sentia sozinha muitas vezes e falta de ter alguém.
Ela ainda estava tentando entender o resultado da Roda da Vida, quando sua Coach pontuou, que ela estava com duas questões a serem vistas, Relacionamento Amoroso e a questão profissional, no caso qual era realmente mais importante a ser trabalhado nesse momento?
Não havia dúvida nessa resposta era preciso olhar para a questão profissional ou ela corria o risco de ser mandada embora.
Sabia que precisava melhorar seu relacionamento com as pessoas, sentir mais confiança, perder a insegurança, medo e timidez.
Esperava que com o coaching ela poderia ver melhor o caminho, ver as coisas de uma maneira diferente, para que pudesse mudar no que fosse necessário.
Era preciso perder medo das coisas rotineiras, não travar e liderar sua equipe.
Pensar em tudo que era preciso ser feito e realizado, já estava fazendo Ânia se sentir um pouco melhor. As coisas pareciam ficar um pouco menos confusa.

Sentiu o peso de ter o pensamento acelerado, a sensação de pensar em tudo e não resolver nada.
Ânia se perguntou o que nos leva a perder o rumo das coisas? Como deixamos nossos pensamentos ficar sem controle? Não seria nós os donos de nossos pensamentos?

Estamos na quinta postagem sobre a história de Ânia e ela ainda tem muita coisa a descobrir sobre si. Nessa postagem ela fala de Pensamento Acelerado, você sabe o que é isso? Você sente que você também não tem controle sobre seus pensamentos? Você foca a sua energia e empenho naquilo que realmente é importante? Dê sua opinião, sua visão sobre a situação. Curta, comente e compartilhe.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

FELIZ DIA DAS MÃES!!

Dia das Mães chegando e quem me conhece sabe que tenho um lindo filho de 15 anos.
Claro que sou uma mãe babona e coruja.
E para quem não sabe eu sou Mãe Solteira (título dado pela sociedade).
Incrível que até hoje ainda existem pessoas que julgam, condenam e apontam o dedo, muitas fazem sem ao menos perceber, alguns comentários que eu diria desnecessário.
E a pergunta clássica: E o pai?
Tente fazer uma viagem com seu filho apenas, menor de 6 anos, em alguns lugares ele vai ter que pagar como adulto, por que você não está acompanhada.
Alguns preconceitos existem disfarçados. Ser mãe em carreira solo sem dúvida vem com muitos desafios, inseguranças, medo, mas é preciso coragem para receber o maior presente que uma mulher pode ter que é ser Mãe. Fomos abençoadas e essa benção veio por meio de um anjo, chamado filho.
Ao invés de recebermos apoio, do tipo você vai conseguir, ou como você é corajosa, apontam um erro.
Olham você apenas por aquele fato. Sem contar as “qualidades” que te colocam.
Podem acreditar eu faria tudo de novo, não mudaria nada.
E a todas vocês que vivem ou viveram a mesma experiência que eu, os meus PARABÉNS, pois sem dúvida vocês tiveram garra e coragem.
MÃES SOLTEIRAS não existe...existem MÃES!!


FELIZ DIA DAS MÃES!!

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Parte IV - As vezes a vida é muito mais que possamos acreditar, as vezes ela nos permite enfrentar nossos desafios mais que imaginamos sermos capazes.

Em alguns momentos temos que simplesmente fazer aquilo que queremos, aquilo que pode nos fazer melhor. Ânia queria mudar, ver as coisas de maneira diferente e sentir melhor consigo mesma. Sabia também que queria ser uma profissional eficiente em sua função e estava decidida nesse momento a fazer algo por si.
Agendou sua sessão de coaching e devido à distância, o processo seria on-line. Não tinha a mínima ideia de como seria esse processo de coaching. Hora marcada e lá estava ela se conectando com sua coaching.
Como já a conhecia pessoalmente, a sua curiosidade a princípio era somente pelo processo. Após as apresentações rotineiras, eis que surge as primeiras perguntas que a faz mergulhar imensamente em seu mundo.
-Ânia qual o objetivo que vamos trabalhar?
Essa é fácil, pois a decisão que havia tomado para estar fazendo o processo de coaching era bem clara, mudar suas atitudes para ser uma ótima gerente, respondeu com confiança, mas em seguida veio outra pergunta:
-Podemos afirmar então, ao trabalhar a sua atitude como profissional, você será uma pessoa realizada?
Um nó foi causado em si. Será mesmo que sua realização pessoal e profissional dependia apenas disso? Não sabia de momento responder, estava tão focada a seus dilemas na empresa, que ao menos estava olhando para as outras áreas de sua vida.
Ela não tinha essa resposta no momento, ao perceber sua coaching a convidou a fazer um exercício onde seria possível avaliar melhor o seu momento e como andava as áreas de sua vida.
Assim ela conheceu a Roda da Vida, ao qual a convidava para dar uma olhada de uma maneira geral em sua vida. Olhou para a sua qualidade de vida onde estava relacionado a espiritualidade, plenitude e felicidade e criatividade / hobbies e diversão e em cada temos proposto foi se conectando com o seu cenário atual e avaliando.
Percebeu que no quesito Relacionamento havia muita coisa a trabalhar, não se sentia muito bem em sua Vida Social, em Família se sentir melhor, mas em quesito relacionamento amoro se dar zero doeu em sua alma, há muito tempo gostaria de ter alguém em sua vida.
No campo pessoal olhou para sua saúde e disposição, seu desenvolvimento intelectual e equilíbrio emocional, ao qual se sentia mais ou menos em cada uma delas, se dando nota cinco.
E quando o assunto foi a área profissional onde acreditava ser sua busca, identificou que ainda não se sentia realizada, seus recursos financeiros estavam bons e em contribuição social era médio.
Eis que a Roda da Vida, lhe mostrava o que mais lhe incomodava no momento era não ter um relacionamento amoroso.
Como assim, pensou Ânia? Estava tentando se enganar? Não ter um relacionamento a deixava com a sensação de sozinha? De não ser feliz?
Era preciso entender aquele resultado, onde sua menor nota foi relacionamento amoroso. Será que essa coaching sabe mesmo o que faz?

Essa é a história de Ânia e ela continua. Você conhece algum fato de alguém que passou algo parecido? Alguém que achou que sua tristeza era uma coisa e na verdade era outra? Dê sua opinião, sua visão sobre a situação. Curta, comente, mande sua opinião sobre o assunto. Você pode ajudar Ânia se entender!

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Programa de Qualidade Administrativa

As atividades básicas do administrativo são rotineiras, podemos até dizer que são não fosse as novidades que surge seria uma constante.
Mesmo com essa padronização que o trabalho oferece, ainda nos deparamos com alguns erros e falhas.
Onde fica a qualidade no trabalho desenvolvido? Como as pessoas mesmo depois de tanto tempo realizando as mesmas atividades, cometem erros?
Mutos fatores interferem além da condição e momento emocional do colaborador, também interfere diretamente o treinamento recebido, procedimento definido e a comunicação.
Se você está tendo problemas em sua empresa com o administrativo acredite algo esta interferindo é preciso que as rotinas sejam executadas com excelência para que se possa evitar problemas futuros ou mesmo desgaste emocional.
Já pensou em ter um programa de qualidade no seu administrativo? Que respeite a cultura da sua empresa e os recursos que ela disponibiliza?

Quais problemas você enfrenta em sua empresa?

Tenha uma equipe administrativa engajada! Tenha um programa de qualidade Administrativo!

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Parte III - As vezes a vida é muito mais que possamos acreditar, as vezes ela nos permite enfrentar nossos desafios mais que imaginamos sermos capazes.


Ter dificuldade de fazer uma demissão, travar ao chamar atenção de um funcionário, que gerente era essa que não conseguia executar atitudes simples de uma gerência? Essa pergunta era constante na mente de Ânia.
Por mais que sabia que precisava de ajuda se desesperou, o que iriam pensar dela. Iria perder sua autoridade, afinal todos imaginam, que gerentes são como magos, resolve tudo como um toque de mágica, principalmente em sua posição que há várias pessoas esperando um deslize de sua parte para tomar o seu lugar.
Procurar ajuda seria uma atitude de fraqueza de sua parte ou assumir que não estava pronta. Por outro lado, sabia que não podia deixar as dificuldades se arrastar, quanto mais demorasse para buscar ajuda, mais poderia arriscar o seu cargo.
Não conseguia pensar em onde buscar ajuda, nem que tipo de profissional procurar. Haveria o fim de semana, para pensar melhor nas coisas.
Como na vida nada é por acaso, a resposta veio onde menos ela esperava, em um bate papo em um aniversário, falaram para ela sobre Coaching. Nem imaginava como funcionava, como seria, mas pela apresentação achou que poderia lhe ajudar.
E como na altura do campeonato com o fim de semana se acabando ela tinha que se arriscar, a semana se iniciaria e com ela todos os dilemas em aberto, inclusive precisava falar com Ricardo.
Mas, uma pergunta era constante em sua mente, estava mesmo agindo certo em procurar ajuda? Seria ela uma fraca? O que os outros iriam pensar?
Será mesmo que até hoje no mercado, algumas pessoas pensam dessa maneira? Procurar ajuda é sinal de fraqueza?
Essa é a história de Ânia, vamos nos deparar com outras situações profissionais e pessoais que ela vai viver, mas talvez ela queira saber sua opinião, sua visão sobre a situação. Curta, comente, mande sua opinião sobre o assunto. Você pode ajudar Ânia a se sentir melhor!